unfifi-CEAA

SOBRE A LETRA MORTA

Se a academia é o mundo, como afirmou Joseph Beuys, é também nela que nos podemos confrontar com os nossos movimentos de fuga e construir a disciplina que faz emergir a estrada. É a partir dos constrangimentos que nos podemos tornar livres e prosseguir. Assim nos cumprimos. Trata-se de se querer ser aquilo que se é.

***

Alexandra Costa é licenciada em Artes Visuais- Fotografia e pós-graduada em Arte Contemporânea pela ESAP, instituição na qual é finalista do Mestrado em Práticas Artísticas e Investigação. Estagiária de investigação no grupo de Arte e Estudos Críticos do CEAA. Integra, actualmente, uma das comissões de Avaliação do Ensino Superior da A3ES. Participou em algumas exposições colectivas, nomeadamente, Projectos_ Processos_ Propriedades | Espaço Mira – Julho, 2017 e A a alguns passos como se fosse muio longe – Palacete Viscondes de Balsemão, Encontros da Imagem, Setembro-Outubro de 2017, com o projecto “Estudos sobre a entropia. Para uma hipótese de arte como sintropia”, respectivamente, I e II. Participou na ARTS Sevilla, 2017 e na colectiva  Sem imago mundi, antes um desvio aleatório, no Planetário do Porto, Outubro – Novembro de 2018.

Eduarda Neves é licenciada em Filosofia e doutorada em Estética. Professora universitária de teoria e crítica de arte contemporânea, investigadora e curadora independente. IR do grupo de Arte e Estudos Críticos do CEAA. A sua prática de curadoria e investigação cruza a arte, a filosofia e a política, domínios nos quais é autora de vários artigos, livros e ensaios. Último livro publicado: O Auto-retrato. Fotografia e Subjectivação. Lisboa: Ed. Palimpsesto | CEAA, 2016 [Short list do prémio PEN CLUB na área de Ensaio, 2017]. Publicará em Setembro de 2019 o livro  Nem-Isto-Nem-Aquilo  e em 2020 Bestiários. Ensaios sobre arte contemporânea.Alguns dos mais recentes projetos de curadoria: Algumas razões para uma arte não demissionária, Correspondências, Fault Line, A alguns passos como se estivesse muito longe, A.A.R. Hors-Série, Sem imago mundi, antes um desvio aleatório. Integrou o projeto expositivo Quatro Elementos (curadora do elemento TERRA). Concebe, em 2019, o projecto EUROPA que articula a conferência internacional (I) Notas sobre a Europa. O sono dogmático  e (II) o projecto curatorial Andando em torno do Sol: Máquinas, Aranhas e Corsários. Colabora com a revista de arte Contemporânea. É, actualmente, directora da Escola Superior  Artística do Porto.

+ info: Arte e Estudos Críticos | UNFINISHED

artwork © Jani Nummela